O ministro José Antonio Dias Toffoli, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), elogiou o PDT ter sido o único partido político a enviar um representante para os Testes Públicos de Segurança das urnas eletrônicas, realizados entre os dias 8 e 10 de março. Trata-se da primeira sessão de verificação desde a quebra do sigilo, há quatro anos.

Aos falar sobre esse processo, Toffoli apontou como aspecto negativo a ausência dos partidos políticos nos testes, com exceção do PDT, legenda que, conforme destacou o ministro, sempre acompanha as verificações com o TSE.

“Mais uma vez os partidos políticos se omitem. Tirando o Partido Democrático Trabalhista, o PDT, que historicamente acompanha, mais uma vez nenhum outro partido, além do PDT, esteve presente. E porque eu registro isso? Porque depois reclamam”, ressaltou.

“Está aí aberta toda a transparência, toda a atividade… Os investigadores estão aí cadastrados, disponíveis para conversar. Eu mesmo tive a oportunidade de vir aqui e conversar com vários deles e perguntar qual era a avaliação que eles faziam, informalmente, de todo o teste público de segurança. De tal forma que os partidos deveriam estar aqui presentes e não o fizeram”, acrescentou Toffoli, voltando a elogiar a presença do representante do PDT.

Os testes

Em cinco testes de ataques nas urnas, dois mostraram fragilidades. “Sabemos que houve alguns testes que se obteve algum tipo de descoberta de vulnerabilidade e nesses casos já estamos trabalhando as devidas soluções”, afirmou Toffoli, ao fazer um balanço dos três dias de testes.

Resolução aprovada no ano passado pelo TSE determina que, a partir de agora, eles serão realizados em todos os anos nos quais houver eleições ordinárias. Espera-se que o detalhamento dos ataques seja apresentado junto com o relatório de avaliação dos testes públicos, previsto para a próxima terça (15).

OM – Ascom PDT/EI